domingo, 22 de maio de 2011

De entreguista a Conselheiro do PT

.

 
Henri Philippe Reichstul



MENTIRA:

“Dia 26 de dezembro de 2000, um dia depois do Natal, o povo brasileiro foi surpreendido por mais uma medida antinacional do governo FHC. Coerente com a máxima de FHC de que “ia virar a página do getulismo no Brasil” – sem o que o neoliberalismo não seria possível – o presidente da Petrobrás, Henri Philippe Reichstul, anunciou que a empresa estava mudando seu nome comercial para PetroBrax. Segundo ele, o objetivo seria “unificar a marca e facilitar seu processo de internacionalização” (sic) (FSP, 27/12/2000). Afirmou ele que ‘a medida ganhou na semana passada o aval do presidente Fernando Henrique Cardoso”. 

(Texto publicado no Blog da Dilma, 04/01/2011.)

VERDADE:

No governo Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, com Henri Philippe Reichstul na presidência da Petrobras, a estatal, que sempre foi orgulho dos brasileiros, foi saneada e preparada para dar o salto de qualidade e competitividade que acontece nos últimos anos.

Ou seja, foi no governo do PSDB que a Petrobras foi modernizada, conseguiu triplicar a produção e receber investimentos estruturantes que propiciaram chegar ao descobrimento do pré-sal.

À época e dentro dos estudos para atualizar a empresa, a título de informação, foi realizada uma pesquisa internacional, onde foi constatado que o nome da empresa, para os estrangeiros, seria mais “legível” se terminasse em “brax”.

A partir da divulgação da informação, num gesto de tornar a discussão transparente, os petistas, oportunistas como sempre, distorceram a verdade. O que era uma pesquisa para prospectar qual seria a marca mais “internacional” para divulgar a empresa no exterior, virou discurso para atacar e mentir.

Eis que agora a líder máxima dos petistas e Presidente da República Dilma Rousseff acaba de convidar e dar posse a nada menos do que ao próprio “entreguista” Henri Philippe Reichstul – como os petistas acusaram à época e repetiram durante a última campanha eleitoral -, no conselho consultivo que irá definir ações para melhorar a gestão dos gastos públicos, a “fazer mais com menos”, numa tentativa petista de prestar serviços de mais qualidade à população, coisa que eles não conseguem por falta de capacidade gerencial e administrativa.

A Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade, vinculada à Presidência da República, é formada por quatro empresários e quatro ministros.  

Reichstul não receberá remuneração para dar conselhos ao governo Rousseff.


(Fonte: Gente que Mente - http://www.gentequemente.org.br/2011/05/17/de-entreguista-a-conselheiro-do-pt/#comment-5726)