sábado, 24 de março de 2012

O desconforto moral

.



Todos, salvo raríssimas exceções, já tivemos aquela dorzinha chata que não passa, não tem remédio ou benzedura que dê jeito, e nem sabemos exatamente do que se trata. Dói aqui e ali, mas passar, não passa. 

Um belo dia, um luminar deu nome ao indigesto incômodo, é o tal de DESCONFORTO muscular. Mas a dorzinha dá na cabeça, e no cérebro, também. No cérebro deve ser o DESCONFORTO CEREBRAL. 

Sentimos o desconforto cerebral aumentando desde que passamos a ouvir uma vozinha insinuante a sussurrar, “ESQUECE”. 

Mas esquecer o quê? 

“O passado”, respondeu a melíflua. 

Mas que passado? O da subversão, o do terrorismo, o do revanchismo? 

“Sim, e deixa de ser chato”, respondeu a donzela. 

Mas por quê? 

“Meu caro irmão”, prosseguiu a maviosa sereia, “porque agora, eles estão no poder, eles estão no governo”.

“Mas esquecer como?” 

“As feridas não estão na carne, elas estão no coração, na dignidade maculada, na injustiça, no revanchismo sem quartel, no salário miserável, na perda de soberania, no loteamento da Nação”. 

“Mas meu amigo, não olhe o retrovisor”, avisa a lânguida figura. “Não leva a nada. Esqueça o passado, viva a nova realidade, não chie, não reclame, de preferência não viva, e não perturbe os superiores”. 

Ouvindo sem cessar estes conselhos que recrudesceram atualmente, o meu DESCONFORTO CEREBRAL, e creio que o de muitos tem aumentado, significativamente. 

Ao que parece uma insinuação está sendo plantada nos corações e mentes dos desavisados, de forma a desarmar espíritos, e aceitar por cooptação de autoridades uma passividade perigosa. Particularmente, preferimos ficar com as barbas de molho. 

É preciso olhar o presente, o passado, no mais distante, e no recente, para verificarmos que estamos num ninho de cobras. 

A passividade pode atender a algumas autoridades, mas temos experiências funestas de que o que as atende significa apenas a quebra de galho, delas, que se deleitam com a abdicação da vontade livre e racional, com o silêncio e a pusilanimidade; quanto ao restante, em particular para os “agentes da repressão”, não significou nada, nem mesmo o menor apoio. 

Não consta que a Comissão da Verdade será encerrada, que não serão proibidas as comemorações de 31 de março, e que as ações revanchistas terão fim, muito pelo contrário, elas prosseguirão, nos salários, nos equipamentos sucateados, nos baixos orçamentos, etc. 

Por isso, encarecemos que as melosas vozinhas se calem, e de preferência nos esqueçam, pois muito aprendemos com o passado, que vivemos entre cobras peçonhentas, e a qualquer momento, elas darão o seu bote e, então, será muito pior, pois ao conviver com tal corja, padeceremos, eternamente de DESCONFORTO MORAL. 

Brasília, DF, 24 de março de 2012

Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca 
Azevedo Pereira