quinta-feira, 27 de agosto de 2009

A La Paz de Evo Morales tem os primeiros bares de consumo de cocaína do mundo

.


Os antropólogos do pé quebrado e do miolo mole querem fazer de Evo Morales apenas um presidente de origem indígena, que trata a folha de coca como um elemento da cultura dos nativos. Bem, no que respeita ao tráfico internacional, a mentira já está demonstrada. Evo está ampliando a produção de folha de coca. Os índios não conseguem mascar mais do que já mascam. O aumento da demanda vem do tráfico.

O post abaixo é de Paulo Mussoi, no blog Sobredrogas, de O Globo.

Reportagem publicada semana passada pelo jornal inglês The Guardian mostra um aspecto ainda pouco conhecido da cultura do uso de drogas na América Latina. A matéria, do correspondente do jornal no continente Jonathan Franklin, conta como é a rotina do que seria um dos primeiros “cocaine bars” do mundo, que funciona há alguns meses em La Paz, capital da Bolívia.

O bar chama-se Route 36, alusão a uma famosa rodovia que liga o leste ao oeste dos Estados Unidos. Ali, é possível comprar e consumir cocaína abertamente, em “porções” servidas pelo garçom em capas de CD, junto com drinques e refrigerantes. Comida, naturalmente, não é o forte do lugar, que também não é o único, e sim apenas o mais famoso bar de cocaína de La Paz.

A reportagem do Guardian tem um tom mais comportamental, e não se aprofunda muito em como o poprietário do Route 36 conseguiu sua licença para vender cocaína, servida ali pelo equivalente a R$ 30 o grama do pó “normal” ou R$ 45 o grama do pó “forte”, mais puro. Obviamente, não há licença nenhuma, apenas a confluência da cultura milenar da coca no país andino com o nem tão antigo mas também secular hábito da corrupção que acomete muitas autoridades públicas e policiais nos países da América do Sul. Em resumo: molhando a mão das pessoas certas, o bar tem conseguido se manter aberto já há mais de um ano. Ainda que sem endereço permanente: à medida que o movimento da casa começa a incomodar os vizinhos e a chamar atenção demais, o bar muda de endereço, sempre com a complacência da polícia local.

Apesar do espírito de total ilegalidade que ronda o Route 36, a reportagem do Guardian (e uma série de blogs de viajantes que consultei na internet) mostra que o ambiente dentro do bar é de tranquilidade, muito similar aos dos coffee shops holandeses. Não há brigas, paranoias ou travações, só grupos sempre animados de jovens turistas que não param de falar. A casa, que funciona 24 horas por dia, tem atraído tantos mochileiros do mundo inteiro que até o respeitado guia Lonely Planet a cita entre suas indicações radicais para a capital boliviana.

Leia a íntegra da reportagem (em inglês) no link abaixo. Quem quiser, acha uma “versão brasileira” da matéria na edição impressa da revista Maxim de agosto (Vergonhosamente, a revista publicou o texto do Guardian dando a entender que era seu material exclusivo - muito feio).

(The Guardian - http://www.guardian.co.uk/world/2009/aug/19/bolivia-cocaine-bar-route-36)
.