segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Ah, como este tempo corre...

.


2009 já agoniza e morre.

Inexorável, vai a vida se arrastando.

2010 está quase começando:

Ah, como este tempo corre...

Por entre os dedos, a própria vida escorre.

Tento retê-la, com a ajuda da memória.

Conto e reconto a minha própria história:

Ah, como este tempo corre...

Outro Natal, é outro ano que decorre.

E eu, me vendo outra vez criança,

Vivo e revivo coisas na minha lembrança:

Ah, como este tempo corre...

Uma saudade, o meu coração percorre.

Faz-me lembrar, com uma dor ingente,

De outros natais, eu ainda adolescente:

Ah, como este tempo corre...

Também me lembro, que a inocência morre,

De tantas coisas que eu planejei fazer,

Desnecessária essa urgência de crescer:

Ah, como este tempo corre...

Neste Natal, talvez eu tome um porre.

Ou erga um brinde, na verdade, sem beber,

Pelo que fui ou que deixei de ser:

Ah, como este tempo corre...

(Wagner Pessôa)