terça-feira, 2 de outubro de 2012

Borboleta Tempo

.







...o rosto vai envelhecendo sem idade, a pele deixando nascerem marcas e vermelhões. Tanto desgaste recai sobre as características físicas, também. Correndo não se chega, parado não se anda, andando não se aguenta. 

O cabelo cai, as unhas doem, a barriga amolece. Não é uma questão de idade, é a auto explosão refletindo. E somando, é também a explosão que vem de fora. Quadrada. 

As pernas vão cansando, os olhos caindo, os lábios tampando o que nem os dedos mais escrevem... Não se arreganham mais as palavras. Não se soltam mais os sentimentos. Mal nascem. 

Definhar é também isso: deslocar as belezas pra bem longe, em todos os sentidos. De todos os sentidos. 

O vidro nem sempre quebra por inteiro, vai deixando os cacos pelo caminho, parecendo poesia, imitando drama, querendo ser apenas ficção.

(Juliana Gola - Borboleta Tempo - Pintura: Ana Luisa Kaminski)
.