quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Para governo, hotel em Aparecida é obra da Copa

.

Hotel "Cidade dos Romeiros", em Aparecida
Hotel "Cidade dos Romeiros", em Aparecida (CDM/Divulgação)



Mesmo distante das cidades-sede, a obra, voltada ao turismo religioso, é avaliada pelo BNDES como um investimento ligado ao evento esportivo



Uma das obras para a Copa do Mundo de 2014 que mais avança não está sequer situada em uma das doze cidades-sede do evento. Trata-se, segundo a ONG Contas Abertas, da construção de um hotel de 60 milhões de reais, voltado ao turismo religioso em Aparecida (SP), que ficará pronto já em agosto. 

O projeto foi contemplado com recursos do BNDES dentro do Programa ProCopa Turismo, que, na definição do próprio governo, destina-se a obras em hotelaria para o evento esportivo. A cidade no interior de São Paulo está, no entanto, a 168 quilômetros da capital paulista e 259 quilômetros do Rio de Janeiro – cidades que, estas sim, devem receber a abertura e o encerramento do Mundial, respectivamente. Em resumo, os recursos do banco estatal financiam um empreendimento que não guarda nenhuma relação direta com o evento esportivo.

Segundo dados da Controladoria-Geral da União (CGU), no Portal da Transparência, 17,4 milhões de reais já foram executados no futuro hotel de Aparecida, o que significa que houve o desembolso deste montante para pagamento de benfeitorias concluídas. O valor contratado – total dos contratos já assinados para realização de obras – soma 51,9 milhões de reais. O BNDES liberou para o empreendimento, dentro do ProCopa Turismo, um total de 32,5 milhões de reais. O restante, 19,4 milhões de reais, será custeado com recursos próprios da associação Santuário Nacional de Aparecida (SNA) – instituição religiosa sem fins lucrativos constituída por membros da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

BNDES – Primeira cidade fora do roteiro da Copa a receber benefícios do BNDES, o município do Vale do Paraíba possui como principal ponto turístico a famosa Basílica de Aparecida. A edificação, com 23 mil metros quadrados de área construída, recebe anualmente milhões de romeiros que querem ver de perto a imagem de Nossa Senhora de Aparecida, encontrada em 1717 por três pescadores no Rio Paraíba do Sul. O destino é religioso – não tem nenhuma relação aparente com o evento esportivo que o Brasil sediará. O entendimento do BNDES, entretanto, é outro. À consultoria Contas Abertas, o banco declarou que entende o hotel do interior paulista como um investimento relacionado à Copa de 2014.

O BNDES declarou a Contas Abertas que o programa ProCopa Turismo não é exclusivo das cidades-sede do Mundial. Acrescentou que o empréstimo foi concedido a uma empresa, a SNA, que apresentou projeto adequado a suas regras e condições de financiamento. O banco explicou também que decidiu transferir o contrato de sua “linha de prateleira” – o pedido inicial do Santuário se referia à linha “Programa de Incentivo ao Turismo”, que é um produto regular da instituição estatal – ao ProCopa Turismo. Com isso, foi possível reduzir o custo para o cliente.

A linha de financiamento BNDES ProCopa Turismo tem 1 bilhão de reais à disposição para empréstimos, dos quais, até agora, 438 milhões de reais estão contratados, informou o banco estatal à ONG. Assim, o hotel da Igreja não estaria disputando verbas com outros empreendimentos de maior afinidade com a Copa do Mundo. O Portal da Transparência relaciona, no entanto, perto de metade disso: 206,46 milhões de reais. 

Deste total, além dos 32,5 milhões de reais emprestados ao Santuário, 173,96 milhões de reais foram liberados a outros três empreendimentos, todos no Rio: 20,32 milhões de reais para a construção do Hotel Ibis Botafogo, 11,64 milhões de reais para erguer o Ibis Copacabana e 142 milhões de reais para a revitalização do Hotel Glória, do empresário Eike Bastista. Somente o empreendimento do bilionário encontra-se atrasado, com 15% de execução ante o valor contratado.

Hotel para romeiros – O hotel de Aparecida, de padrão econômico, terá 330 suítes em uma área de 177 mil metros quadrados e será de responsabilidade do Santuário Nacional. Ele tem como objetivo prover acomodação a romeiros e espaço para realização de convenções e eventos, como assembleias anuais da CNBB, a partir de 2013. O empreendimento faz parte do projeto “Cidade do Romeiro”, que também prevê a construção de uma capela com capacidade para 600 pessoas, um centro de convenções para 1.200 participantes, além de readequação das áreas comerciais e de convívio já existentes no local.

.