quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Para Fidel, modelo cubano está superado

.


.

Ex-ditador cubano afirma em entrevista que sistema implantado por ele mesmo nos anos 60 "não funciona"

Declaração, feita ao "The Atlantic", é vista como uma chancela às reformas promovidas por seu irmão, Raúl


O ex-ditador cubano Fidel Castro, 84, disse a um jornalista americano que o modelo econômico do país não "funciona mais".

Foi em um almoço em Havana, onde Castro, que saiu do poder após problemas no estômago, comeu salada, peixe, pães com azeite e tomou uma taça de vinho.

"Eu perguntei a ele se acreditava que o modelo cubano ainda era algo válido de ser exportado. "O modelo cubano nem funciona mais", ele disse", escreveu Jeffrey Goldberg ao jornal "The Atlantic".

Segundo o repórter, Castro o convidou para ir a Cuba após ler um artigo seu sobre Irã e Israel. O ex-comandante cubano queria discutir suas ideias com o jornalista. Goldberg levou uma especialista em Cuba do Council on Foreign Relations, Julia Sweig.

De acordo com ele, a especialista interpretou a crítica de Castro ao próprio modelo econômico que fundou e construiu como uma autorização de Castro às reformas econômicas de Cuba que seu irmão, Raúl, iniciou.

Entre elas, a privatização de pequenos negócios e a permissão para que estrangeiros comprem imóveis.

"Ele não estava rejeitando as ideias da revolução [cubana]. Eu interpretei isso como um entendimento de que, sob o modelo cubano, o Estado tem um papel muito grande na vida econômica do país", concluiu Sweig.


IRÃ E OS JUDEUS

Recentemente, Fidel publicou críticas à escalada de acusações entre EUA e Israel e chegou a anunciar uma guerra nuclear em breve, mas voltou atrás.
Por meio do jornalista americano, ele mandou um recado para o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad: "pare de caluniar os judeus".
O comunista criticou Ahmadinejad por negar o Holocausto e explicou que o governo iraniano faria mais pela paz se reconhecesse a história "única" dos judeus, que, segundo ele, tiveram uma "existência muito mais difícil do que a nossa".
"Eu acho que ninguém foi tão caluniado quanto os judeus. Eu diria que ele foram muito mais do que os muçulmanos", disse Castro. O jornalista então perguntou se ele diria aquilo diretamente ao presidente iraniano. "Estou dizendo isso para que você comunique", respondeu.
Fidel também falou sobre a crise dos mísseis, quando os EUA descobriram que Cuba tinha ogivas nucleares aptas a bombardear os EUA.
Na época, ele foi a favor do ataque. Hoje, diz que Obama pode "reagir exageradamente" a um conflito com o Irã e gerar uma guerra nuclear.

(Fonte: A Folha de São Paulo - http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0909201004.htm)