sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Dicionário do Mineirim

.


- ansdionti (antes de ontem)
- asmininxegaro (as meninas chegaram)
- badacama (debaixo da cama)
- belrizonte (Belo Horizonte)
- cadiquê (por causa de quê)
- cadiquim (um pouquinho)
- caisopô (caixa de isopor)
- conforfô (conforme for)
- dácençapreu (me dá licença)
- dáumtiquinho (me dá um pedacinho)
- dendapia (dentro da pia)
- denduforno (dentro do forno)
- dentifrisso (dentifricio)
- desceuprusgrugumio (desceu pela goela abaixo)
- deumemo (de mim mesmo)
- deusdiqui desde que)
- dôdestongo (dor de estômago)
- doidimais (doido demais)
- doncovim (de onde que eu vim)
- dosseis (de vocês)
- dotrabanda (do outro lado)
- emribadora (em cima da hora)
- fumoevortemo (nós fomos e voltamos)
- indostrudia (ainda outro dia)
- iscodidente (escova de dente)
- issoquipómoiá (isso aqui pode molhar)
- istrudia (outro dia)
- kidicarne (quilo de carne)
- lidiarco (litro de álcool)
- lidileite (litro de leite)
- mãodivaca (sujeito avarento)
- mardusfigo (mal do fígado)
- mastumate (massa de tomate)
- midipipoca (milho de pipoca)
- némermo (não é mesmo?)
- nimim (em mim)
- nóistrupicamanumcái (nos tropeçamos, mas não caímos)
- nóissinvai (nós já vamos)
- nóistamuino (nós estamos indo)
- nossinhora (nossa senhora)
- óiprocevê (para você ver!)
- óiquí sô (olha aqui, meu amigo)
- óiuchero (olha o cheiro!)
- oncêfoi (aonde você foi?)
- oncotô (onde que estou)
- onquié (onde que é?)
- óprocê (ó!, pra você)
- ostrudia (outro dia)
- pédiboi (homem muito trabalhador)
- pincumel (pinga com mel)
- pondiônsbi (ponto de ônibus)
- pópegakasmão (pode pegar com as mãos)
- pópicáuaio (pode picar o alho)
- pópô (pode por)
- pópômapoquimdipó (pode por mais um pouquinho de pó)
- pôpurbaxo (colocar por baixo)
- pradaliberdade (praça da liberdade)
- praonostamuinu (para onde nos estamos indo?)
- prarribadeu (pra cima de mim)
- prestenção (preste atenção)
- procevê (para você ver)
- proncovô (pra onde que eu vou)
- prosseis (para vocês)
- prucausdiquê (por causa de quê)
- pruviadela (por causa dela)
- quaisnaora (quase na hora)
- quascaí (quase caí)
- quédele (cadê ele)
- quingresia! (que confusão!)
- rugoiais (rua Goias)
- sadona (minha senhora)
- sápassado (sábado passado)
- secopassado (século passado)
- séssetembro (sete de setembro)
- sóumcadiquinho (só um pouquinho)
- táinzonando (está demorando)
- tálascado (está em má situação)
- taveu (estava eu)
- tidiguerra (tiro de guerra)
- tissodaí (tira isso daí)
- tradaporta (atrás da porta)
- trem (qualquer coisa)
- tranzantonti (no dia anterior ao dia de ontem)
- trembão (qualquer coisa boa)
- ugáscabô (o gás acabou)
- usmininxegaro (os meninos chegaram)
- usvididentro (os vidros de dentro)
- usvidifora (os vidros de fora)
- uviumbaruim (ouvir barulho)
- vanssimbora (vamos embora)
- vidiperfumi (vidro de perfume)
- vimdiapé (vim caminhando)

Veja, agora, se você consegue entender a seguinte "istorimineira":

Sapassado, era séssetembro, taveu na cuzinha tomano uma pincumel e cuzinhano um kidicarne com mastumate pra fazê uma macarronada com galinhassada.
Quascaí disus, quando uviumbaruim vino di denduforno, pareceno um tidiguerra.
A receita mandopô midipipoca denda galinha prassá. O forno isquentô, o mistorô e a galinha ispludiu! Nossinhora! Fiquei branco quineim um lidileite.
Foi um trem doidim, uai! Quascaí dendapia!
Fiquei sensabê doncovim, proncovô, oncotô. Ói procevê quilucura!
Graza Deus ninguém simaxucô!

(Fonte: recantodasletras.uol.com.br)