domingo, 14 de março de 2010

Carta a José Dirceu

.


Sr. José Dirceu,

Não procurei por seu blog. Caí nele enquanto procurava outra coisa.

Por simples curiosidade, resolvi "perder" algum tempo lendo. Afinal, apesar de não concordar com muita coisa que se diz por aí, sou total e fanaticamente a favor da liberdade de qualquer um expressar a sua opinião.

Antes que me entenda mal, opinião tem que ser responsável. Calúnia deve ser objeto da atenção da Lei.

No caso dos seus "negócios" ou "consultoria", quero destacar que Consultoria É um Negócio! Não vejo nenhum demérito nisso. A única diferença entre nossos pontos de vista é que não se DÁ Consultoria. Palpite, se dá. Consultoria é paga, e geralmente muito bem paga.

No geral (até onde li) do seu blog, uma coisa ficou clara. O senhor escreve melhor do que eu imaginava. Chego até a pensar em um "escritor fantasma" (tradução literal do "ghost writer" dos gringos, se me permite elucidar para quem não sabe).

Agora minha opinião.

Correndo o risco de alguma injustiça (se bem que não creio nisso), tenho dito em discussões, em que a frase está no contexto, que, com excessões tão raras que nem servem para justificar a regra, "só há dois tipos de políticos - o corrupto e o conivente".

Com a postura que o senhor assume de homem íntegro e honesto e com a inteligência e perspicácia que demonstra na atuação pública, seria uma ofensa à inteligência dos cidadãos tentar passar como verdade a alegação que "não sabia do que se passava" no meio em que, durante tanto tempo, atuou como parte da cúpula dirigente.

E, se sabia, porque não fez algo a respeito? Em que classificação o senhor se auto-enquadra?

Sou um descrente da capacidade do ser humano, sem matizes políticas ou nacionalidades, de agir visando ao bem comum, da espécie, da natureza ou do planeta. Só espero não testemunhar o apocalipse que, mais dia, menos dia, com certeza conseguiremos desencadear.

A última observação é uma citação do Nelson Rodrigues, que me veio ao ler os comentários postados: “Toda a unanimidade é burra”.

Passe bem.

(Fonte: http://jcribeiro.spaces.live.com/)