terça-feira, 30 de março de 2010

E quem paga a conta? O PT ou você?

.

Descaso com o dinheiro público em tempo de campanha...

video

Para evitar ‘fiasco’, Lula cancela ida a obra inacabada

O vídeo acima foi gravado em fevereiro de 2009. Exibe discurso de Lula num pa©lanque montado na cidade pernambucana de Salgueiro.

Lula acabara de vistoriar as obras da ferrovia Transnordestina. Pendurado ao microfone, enalteceu o zelo de sua gestão com o Nordeste.

Mencioniou “feitos” variados –da transposição das águas do rio São Francisco à abertura de escolas.

Disse que voaria para Brasília “orgulhoso” e “esperançoso”. Prometeu retornar em breve:

“Quando eu voltar aqui outra vez, a gente já vai ter feito mais um pedaço da rodovia [sic]”. O gogó do presidente já ouvia até o apito da locomotiva:

“Quando eu voltar aqui depois de 2010, eu já vou poder dar uma volta no trem, que vai passar por aqui apitando [...]”.

No último mês de janeiro, de passagem por Paulista, outra cidade pernambucana, Lula marcara o mês de sua volta a Salgueiro: março.

O presidente dissera que inauguraria na cidade a “maior fábrica de dormentes do mundo”. Entregaria também uma fábrica de brita.

Deu chabu. Marcada para esta terça (30), a viagem de Lula a Salgueiro teve de ser cancelada.

As fábricas que o presidente planejara inaugurar não ficaram prontas. Apito de trem? Nem pensar.

Dilma Rousseff acompanharia Lula. Seria a última aparição dela num pa©lanque antes de deixar a chefia da Casa Civil para embrenhar-se na campanha.

Nas pegadas do anúncio do PAC 2, nada parecia mais conveniente do que a visita à Transnordestina. Uma obra do PAC 1, assentada no Estado natal de Lula, onde sua aprovação roça a unanimidade.

Até o final da tarde desta segunda (29), a Secretaria de Comunicação da Presidência ainda mantinha no seu sítio na web um aviso relacionado à viagem.

O texto fornecia detalhes sobre a entrega de credenciais aos repórteres interessados em testemunhar as inaugurações de Salgueiro.

Àquela altura, porém, já havia sido deflagrada a desmontagem do circo montado na cidade para recepcionar o cabo-eleitoral e a candidata.

Para não fornecer munição à oposição, Lula deu meia-volta. A primeira vítima do cancelamento foi a rede hoteleira local, que já superfaturava as diárias.

Repórteres que já haviam percorrido os 520 quilômetros que separam Recife de Salgueiro viram-se compelidos a retornar.

Entre eles 13 profissionais da estatal Empresa Brasil de Conunicação. Emissoras de rádio que haviam recebido a promessa de uma entrevista com Lula, desmobilizaram-se.

O vaivém do “inaugura-não-inaugura-mais” impôs um custo à Viúva, cujo valor não foi divulgado.

Como ocorre em todos os deslocamentos do presidente, o Planalto mobilizara o seu aparato de viagens.

Agentes do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) e do cerimonial da Presidência encontravam-se desde a semana passada.

Prepararam, nos mínimos detalhes, a viagem que não ocorreu. Um contribuinte mais exaltado poderia perguntar: quem vai restituir esses gastos?


(Fonte: Blog do Josias - Folha Online)