sexta-feira, 19 de março de 2010

A moça feia

.


Não tinha graça, não tinha beleza...
Quando passava, andar desajeitado,
eu a pensar ficava – a natureza
deve num instante ter se descuidado...

No seu semblante havia uma tristeza,
sempre ansiosa, um ar preocupado;
sem atrativos, não era surpresa
quando afastava alguém interessado.

Jamais teve um amante, um amor um dia;
no solitário quarto imaginava
romances que não teve e que queria...

A moça amarga sem nenhum encanto;
a moça triste que ninguém olhava;
a moça feia... que eu amava tanto !


(Roger Feraudy, (1923/2006) - Fonte: www.rauldeleoni.org)