quinta-feira, 18 de março de 2010

O peso da vaidade na contabilidade do bem

.


A vaidade é um dos elos indesejáveis na corrente do bem. Para que as pessoas sejam estimuladas a engajar-se numa boa ação é preciso que elas saibam que esse modelo existe, para que possam empenhar seu tempo e esforço agregando valor a essa cadeia e possibilitando que o bem se expanda. Mas o pecado está na vaidade. Ao se expor, mesmo que com a melhor das intenções estamos dizendo ao mundo que somos bonzinhos, que fazemos isso e aquilo e cá prá nós, traz uma satisfação ímpar ao nosso íntimo. Esta fogueira de estímulos se propaga ao ponto de inviabilizar ações benéficas se duradouras, pois o que era para ser um trabalho abnegado acaba se tornando uma guerra de egos.

Gostamos do aplauso, faz parte da nossa natureza de ser social buscar sinais de aprovação, onde quer que eles estejam, mesmo que sutis, porém o suficiente para que nosso íntimo possa exultar e sentir: "alguém me viu". Vaidade misturada com poder, a dupla que anda sempre junta na demarcação do espaço que julgamos ter direito.

Na esfera institucional tornou-se obrigatória a responsabilidade sócio-ambiental que combina o binônimo natureza X relacionamento social. A instituição ou empresa que não explicita sua preocupação com o meio ambiente e com as pessoas que interagem com ela está fadada à exposição pública taxada de politicamente incorreta. A alternativa é fazer, simplesmente. Mas dê-lhe mídia para divulgar que está realizando e não raro, gasta mais com a publicidade do que com a atividade em si. “Puxa, mas o que quer então a turma da patrulha? Se não faz é cão danado e se faz é exibida, vaidosa?”. Nem tanto ao mar, nem tanto a terra. O que se defende é o cuidado com o brilho, que demais ofusca. É instintivo, inocente até. "Mas como eu não estou fazendo nada? Eu faço isto, isto e isto. É pouco?". Cada um faz o que pode, o que está ao seu alcance e a visibilidade também faz parte do encadeamento. O difícil é acertar a dose e ser sincero. Podemos calcular racionalmente todos os benefícios que um produto irá proporcionar ao consumidor, mas se não encontrarmos uma forma de atingir o cliente no seu lado emocional, ele pode até emplacar, mas antes dele vai ter muito produto pior porém mais focado na divulgação que vai cair no gosto do mercado muito antes, até derrubando quem não teve tanto cuidado assim com a propaganda.

Mesmo ícones do altruísmo, com um histórico incontestável de atitudes de vida voltada para o próximo não escapam dela. Um exemplo nos é trazido na entrevista concedida, tempos atrás, à jornalista Marília Gabriela por Marcel Souto Maior, biógrafo do falecido médium Chico Xavier. Indagado se havia algo que o incomodava em Chico Xavier, ele afirmou: "Sim. A vaidade. Nos últimos anos da vida dele, aqueles mutirões de caridade e cura seduziam multidões e os meios de comunicação divulgavam maciçamente tais eventos. Mesmo com a saúde frágil, tais ocasiões lhe eram muito agradáveis".

Refletir sobre a vaidade não é suficiente para que sejamos "perdoados" do pecado de conviver com ela, admitir que a temos e que de certa forma até, ela faz parte do contexto das boas ações. O ato de repensá-la no intuito de saber se está na medida certa para com os propósitos do bem é bem intencionado mas é apenas uma constatação. Significa assumir que somos vaidosos não só no que se refere à imagem como também quando se trata de ações, por mais sinceras. Todos nós estamos sujeitos mesmo quando não divulgamos explicitamente o bem que fizemos. É difícil resistir e então, avisamos em pensamento ao Deus da nossa crença: "Olha lá, está vendo que eu fiz uma boa ação, não está? Vê se põe na minha contabilidade do bem”.

(Escrito por Rackel - Fonte: www.sopoesias.com.br)