domingo, 14 de março de 2010

Discurso de um ditador

.


“Eu acho que greve de fome não pode ser utilizada como um pretexto dos [da luta por] Direitos Humanos para libertar pessoas. Imagine se todos os bandidos que estão presos em São Paulo entrarem em greve de fome e pedirem liberdade”. Frase do político mais sórdido da história do nosso país.

Eis “o cara” [do Obama] que assombra o mundo, o “estadista global” dos tontos de Davos, o homem do ano do “Le Monde” e do “El País”, o herói de certa “intelectualha” brasileira pela qual o meu desprezo, a cada dia, só faz aumentar. Silenciar diante da entrevista de Lula é ser conivente com os fanáticos homicidas do regime cubano e com a violência como princípio aceitável da política.

(Reinaldo Azevedo)



Diante de um mundo geopolítico hipócrita e leviano, o presidente do Brasil compara os presos políticos de Cuba aos bandidos encarcerados em um dos mais desumanos sistemas prisionais do mundo, o existente em nosso país.

Não estamos falando dos bandidos canalhas e terroristas que quiseram durante o Regime Militar impor um comunismo corrupto e genocida ao país, objetivo que está sendo atingido durante o desgoverno do PT que, depois da Fraude da Abertura Democrática, está conseguindo com seus bandidos-militantes e através de suas cumplicidades ou participações diretas, transformar o poder público em um covil de gente sórdida – bandidos que não estão na cadeia – , depois que alguns milhares desses vermes do submundo comuno-sindical e seus cúmplices, terem recebido indenizações milionários e pensões vitalícias e, centenas deles, adicionalmente, estarem curtindo sinecuras no poder público, tudo pago pelos idiotas e imbecis dos contribuintes.

Estamos falando daqueles “bandidos” que estão trancafiados em condições carcerárias absolutamente criminosas de um sistema civil-policial apodrecido, com um destino quase certo: o sofrimento desumano, a tortura, ou a morte, condições nas quais ninguém é recuperado, pelo contrario, se não morrer na prisão se transforma, com poucas exceções, na fuga, na liberdade condicional ou na liberdade pelo cumprimento da pena, em um animal assassino que aprendeu na prisão a banalização de sua vida e, principalmente, como banalizar a vida dos outros cidadãos comuns que são assassinados pelas suas mãos.

Essa população carcerária, o objeto da comparação com os presos políticos de Cuba feita por essa absurda fraude humana, é vítima desses canalhas governantes que transformaram, durante a Fraude da Abertura Democrática, as grandes metrópoles em guetos desumanos, fábricas de bandidos por falta de condições mínimas de vida e de oportunidades para uma digna inserção na sociedade.

Para quem tem um mínimo de bom senso e coordenação motora, o recado do destino barbudo-alcoolatra-canalha é absolutamente claro: depois da eleição dessa demente terrorista os críticos do petismo serão encarcerados e comparados aos bandidos de Cuba – seus presos políticos: todos aqueles que ainda estiverem vivos.

É isso aí seus bastardos apátridas – políticos corruptos, acadêmicos sinecuristas, servidores públicos cúmplices-reféns do suborno lulista, todos os beneficiados pelo assistencialismo lulista que colocou o sistema de mérito na fossa fétida do petismo para ganhar direitos com base na separação de classes e nos oportunismos, advogados, promotores e juízes que jogaram seus diplomas no lixo da degradação moral para servir ao lulismo, meio artístico apodrecido e covarde, jornalistas amestrados e carreiristas da traição ao país, e empresários calhordas que apodrecem as relações público-privadas – sórdidos “abílios” da degradação moral e social –, e afins.

Essa gente sórdida representa o conjunto dos adúlteros da degeneração moral subornados pelo lulismo, gente desprezível que está no poder de uma sociedade covarde e omissa.

Esses canalhas continuam apoiando e batendo palmas para o mais sórdido político de nossa história mesmo que, a todo momento, esse patife dê as mais claras demonstrações possíveis que quer transformar nosso país no paraíso dos bandidos de colarinho branco e seus cúmplices, subservientes a uma ditadura genocida através do comando de sua candidata terrorista, que está sendo encaminhada, custe o que custar, para ficar em seu lugar, temporariamente, até 2014.

Sempre é bom lembrar: não se esqueçam de comunicar a seus filhos que avisem suas futuras famílias quais foram os responsáveis deles viverem no país espelho de Cuba, uma ilha terrorista que se transformou em continente graças às suas covardias, omissões e cumplicidades.

Se não comunicarem também não tem problema: nas suas apodrecidas biografias estará documentada a traição que cometeram: que esses canalhas contem, desde já, com o absoluto desprezo das gerações futuras.

“O Brasil durante a Fraude da Abertura Democrática foi transformado em um país vagabundo, numa republiqueta bananeira e no paraíso dos canalhas, especialmente durante o desgoverno do PT.”

(*) Geraldo Almendra, Economista e Professor de Matemática, Petrópolis

.