sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Manual do estilo desconfiado

.










Manual do estilo desconfiado



Até segunda ordem, todo texto é suspeito




JUNTE-SE AOS DESCONFIADOS

Sempre fui um aficionado pelas artes e artimanhas do ato de escrever. Sou daqueles que consideram toda frase um parto – o que não implica, necessariamente, sofrimento. Tudo começa com o intruso espermatozoide que se instala em nosso cérebro e passa a acionar a sinapse daquela ideia, que ali permanece e recusa a se apagar, insiste diariamente em ser transformada em “mensagem para os outros”: texto.

Acontece, porém, na maioria das vezes, que passamos a macaquear as formas conhecidas de dizer. Repetimos as fórmulas, e mal. Confortados pelo doce prazer do nome impresso. Com frequência, tomamos um dentre os maneirismos disponíveis e o preenchemos com raciocínio e opinião. Mas sem perceber que as palavras e noções usadas já se encontram um tanto gastas por força da repetição e do hábito.

Qual o antídoto? Como sair do círculo repetitivo da inspiração? Se a resposta fosse simples, já teria surgido uma nova profissão no pobre mercado das letras: os estilistas de texto. Com lançamentos a cada ano de novos modelos de redação destinados aos diferentes segmentos: as notícias de jornal, as pesquisas acadêmicas, os romances de sucesso, e outros mais.

O jeito é mesmo desconfiar. Uma recomendação possível e honesta frente ao demo do senso comum que se infiltra no lero-lero de muitos escribas. Ler com o olhar desconfiado, pois ajuda a reconhecer muito gato que se passa por lebre, sobretudo quando assume ares de alta dicção. E, claro, escrever igualmente desconfiado – um pé atrás com as próprias afirmações. Até segunda ordem, todo texto é suspeito.



DESCONFIE DA FRASE LONGA

– Raros são os animais que podem dar saltos longos na natureza. Raros são os homens capazes de compreender uma série de frases compridas.

– Uma frase não se define pela extensão, senão pelo fôlego.

– As ideias que se alongam precisam girar em torno de um eixo. Cuidado com os malabarismos.

– A boa frase longa se contenta com passos curtos – e articulados.

– Para evitar a monotonia de uma série de frases longas, a alternância com a frase curta surpreende.

– As frases longas nunca são jovens.



DESCONFIE DA VÍRGULA

– Aqueles que tomam a vírgula por uma facilidade animam-se em encompridar os solilóquios. Melhor tomá-la por uma dificuldade.

– Toda vírgula implica dobrar uma esquina e continuar o mesmo caminho. O senso de direção não depende (só) dela.

– O texto que se iniciasse com uma vírgula teria antes de si o universo inteiro.

– Alguns escritores são acometidos da virgulite, típica de quem dá voltas ao pensamento.

– Existem as vírgulas da gramática e as do afeto.

– O pecado de Adão criou a primeira vírgula.



DESCONFIE DA PALAVRA GORDA

– Aquela que expressa ideia generalizante, usualmente abstrata. Além do peso.

– A gordura léxica está presente quando as palavras se inclinam para a retórica.

– O uso acumulativo de palavras obesas conduz a uma frase gorda.

– Antes de se expressar em palavras, a obesidade está no pensamento.

– A sintaxe é um recurso importante para engordar (ou emagrecer) a frase.

– Os parnasianos são os típicos escritores com sobrepeso.



DESCONFIE DA PALAVRA MAGRA

– Referente ao sentido direto, quase sempre em primeira acepção. Sem gordura.

– A magreza léxica se torna presente quando as palavras não chamam atenção para si.

– A ciência prefere exprimir-se por meio das palavras exatas. Só o osso interessa.

– A mesma palavra poderá ser mais ou menos delgada, a depender do contexto.

– O romance policial típico necessita de um estilo “magro” para colocar em ação os elementos da trama.

– A palavra magra se quer discreta e útil.



DESCONFIE DA CITAÇÃO

– A afinidade com o autor citado, por si só, não qualifica a citação. Então, o que a justifica?

– Não há como certificar o peso de duas citações opostas e igualmente claras e afirmativas.

– Existem citações de primeiro, segundo e terceiro graus. Quanto mais recuada no tempo, mais sábia.

– Poucos escritores citam os argumentos contrários às suas ideias. Pior para elas.

– Ninguém cita quem lhe parece “inferior”.

– Diz-me quem citas e eu te direi quem és.



DESCONFIE DO CLICHÊ

– O clichê transforma o senso comum em metal, peça que serve à máquina dos discursos.

– De tão usado, o clichê ficou cego, não sabe o que está dizendo.

– Clicheteiro é aquele que usa em demasia as frases conhecidas.

– O clichê apunhala o estilo.

– O clichê se aproxima de um ditado que não deu certo.

– O clichê é um chiclete usado.



DESCONFIE DO ADVÉRBIO

– Cabe ao advérbio dar um toque de relevo à frase.

– A circunstância define o colorido daquilo que se afirma; do contrário, predomina o vazio.

– Verbo e advérbio se atraem, mas nem sempre se encaixam.

– Os advérbios formam a polpa que reveste o caroço da frase central.

– Para garantir que seja exato, todo advérbio deve passar pelo setor de controle de excessos.

– Quem “mente” demais cai em descrédito.



DESCONFIE DO ELOGIO

– Monotonia: o elogio sempre se nutre de adjetivos.

– Boa parte das vezes o encômio vem antes de arrolados os argumentos.

– O elogio deve ser proporcional à qualidade moral e intelectual de quem o profere. Mas quem julga quem?

– A maioria dos elogios esconde a sua real motivação: o comércio de favores.

– Quem muito elogia deixa as palavras vazias.

– Elogiar a modéstia é um contrassenso.



DESCONFIE DO ADJETIVO

– Os adjetivos são como as cores, do suave ao berrante.

– Entre um e outro, recomenda-se a distância de algumas léguas.

– A culpa não está na palavra, mas no demiurgo que não sabe usá-la.

– O adjetivo funciona como o fermento da frase.

– Ao dispor de um adjetivo, indague-se: se ficar de fora, a frase empalidece?

– Faça psicanálise com os qualificativos que emprega.

– Adjetivos são palavras com alta variação de humor.



DESCONFIE DA (DES)CONFIANÇA

– A desconfiança é bem-vinda para que o estilo seja de bom quilate.

– A desconfiança é malvinda quando inibe a naturalidade da frase.

– O melhor estilo é aquele que se faz com a atenção posta no detalhe, nos dedos.

– Quem desconfia fia o texto pelo avesso.

– Quem (des)confia demasiado termina com as mãos no fiado.

– Desconfia quem deseja fiar de outra maneira.

.