quarta-feira, 21 de julho de 2010

No faroeste brasileiro, os vilões agora querem botar no peito a estrela do xerife

.


O primeiro presidente do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, atravessou o último quarto de século acusando de corruptos todos os políticos de outros partidos. Hoje é amigo de infância dos campeões da ladroagem.

O segundo, José Dirceu, passou anos berrando que “o PT não róba nem deixa robá”. Denunciado pela Procuradoria Geral da República como “chefe da organização criminosa sofisticada” que protagonizou o escândalo do mensalão, hoje aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal e prospera como facilitador de negócios.

O terceiro, José Genoíno, fez do combate à corrupção, em 2002, a principal bandeira da candidatura ao governo de São Paulo. Derrotado, formou com Delúbio Soares e Marcos Valério a trinca de gerentes do mensalão. Também aguarda julgamento no Supremo.

O quarto, Ricardo Berzoini, ficou nacionalmente conhecido pela ideia, que lhe ocorreu logo depois da posse no Ministério da Previdência, de exigir que todos os aposentados com mais de 90 anos provassem que estavam vivos. Na presidência do PT, consolidou a fábrica de dossiês malandros e a expandiu com a inauguração da filial paulista administrada pelos aloprados.

O quinto, José Eduardo Dutra, confirma a suspeita de que todos os ocupantes do cargo cobrem o rosto com pelos para prevenirem a remotíssima possibilidade do rubor provocado pelo descompasso entre o que dizem e o que fazem. Três preferiram defender-se com uma barba. Dois acharam que o cavanhaque é suficiente. Um deles é o sergipano José Eduardo Dutra. Pelo que já fez em tão pouco tempo, não vai demorar a encobrir o rosto inteiro.

Confrontado com a reativação da velha fábrica de dossiês malandros, para atender à encomenda dos interessados em divulgar abjeções inventadas para prejudicarem José Serra, Dutra acusou as vítimas e resolveu acionar judicialmente o candidato à Presidência. Confrontado com a criminosa quebra do sigilo fiscal de Eduardo Jorge Caldas Pereira, não ficou constrangido com o estupro das declarações de imposto de renda do vice-presidente do PSDB. “O PT age dentro dos limites do Estado de Direito”, fantasiou.

Em seguida, o cartola partidário que não age sem consultar José Dirceu (melhor amigo de Valdomiro Diniz) e Antônio Palocciãrio (estuprador de contas bancárias) ameaçou processar o deputado Índio da Costa porque o candidato a vice de Serra disse o que até os bichos da selva colombiana sabem: o PT e os narcoguerrilheiros das FARC são muito mais que bons companheiros; são cúmplices. E conferiu dimensões assombrosas à ofensiva dos cínicos com a declaração de guerra contra a vice-procudoradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, suspeita de acreditar que a lei vale para todos.

No começo do faroeste da Era Lula, os vilões se contentavam com a impunidade. Estava de bom tamanho farrear no saloon e colecionar bandidagens em paz. Agora andam bem mais atrevidos. Já tentam prender o mocinho. E querem botar no peito a estrela do xerife.

(Augusto Nunes - Veja)